,

2017: o ano do fortalecimento de valores que se tornarão fundamentais para os negócios

Não posso afirmar que este ano seja considerado um “divisor de águas”, embora possa acreditar que futuramente falaremos disso. O que vejo, nesse momento, é uma quantidade muito significativa e importante de mudança de comportamento das pessoas a partir das influências advindas de novos valores. São valores provocados por mudanças globais relativas à ecologia, tecnologia (em todas as suas vertentes), economia, política e sustentabilidade.

Da mesma forma que as pessoas estão sendo influenciadas, os negócios, que são feitos por pessoas, também se defrontam com as mesmas influências e, por conseguinte, vêm se transformando. O ciclo virtuoso (ou necessário) se dá na busca de sintonia entre negócios e pessoas, assimilando valores e refletindo no mercado, que também muda e retorna esta mudança para os negócios.

Uma forma de entender como a assimilação de valores pelas pessoas atinge os negócios é admitir que um negócio reúne um conjunto de atores, inter-relacionados, com interesses diferentes, mas que devem atuar em harmonia. O alvo dessa atuação é o sucesso. E, aqui, podemos entender sucesso como o simples fato de um negócio conseguir se manter em funcionamento com lucratividade suficiente para, no mínimo, se igualar ao rendimento de uma aplicação financeira.

Como ator principal, e muito importante, destaca-se o cliente, sem ele o negócio nem mesmo existe. Depois, sem ordem de precedência, estão o proprietário (ou sócios, ou lideres), os fornecedores, funcionários e a sociedade. Cada um desses atores está atrelado a um roteiro próprio, que se bem reunidos resultarão em um negócio de sucesso. É oportuno falar sobre o que está se passando com cada um deles.

O cliente

Ele compra para resolver seus problemas, para se sentir recompensado ou por ter se surpreendido. No entanto, ele está cada vez mais convencido de que pode saber mais sobre o que estará adquirindo fora da empresa do que dentro dela. Irá consultar a satisfação e a avaliação de outros clientes. Mas não é apenas isso. Cada vez mais preocupado com a própria saúde e com o planeta, vai querer saber se não há nada que cause impacto negativo a si próprio ou ao planeta. Irá comparar preços e relacioná-los ao custo-benefício. Por exemplo, pagará mais caro em função de atendimento mais qualificado, de ações de responsabilidade social, de reciclagem ou materiais orgânicos. A honestidade e transparência será levada muito a sério. O uso das redes sociais pode destruir a imagem de uma empresa caso descubra-se que ela mentiu.  É relevante observar quantas pessoas já deixaram de comprar roupas das marcas denunciadas pelo documentário The true cost (Netflix) sobre o terrível impacto da moda nas pessoas e no planeta. Por outro lado, o cliente, protagonista, será o melhor aliado da empresa e terá, a cada dia, mais participação no negócio, por meio das comunidades, da cocriação, da formação de opinião, da influência sobre seguidores das redes sociais.

O proprietário

O dono, líder, responsável pela empresa é respeitado pela capacidade de articular todos os atores, de encontrar e propor soluções no lugar de dar atenção aos problemas. Pensando de forma sistêmica, ele é o agente de mudança dentro da empresa, capturando o que acontece no mercado e na sociedade, atento às mudanças para manter a própria empresa em sintonia com elas. Ele é um parceiro da equipe de funcionários, criativo e motivador, colaborativo e atencioso, atento aos detalhes. Exerce uma liderança criativa e é por natureza inovador. Com essa postura, assegura a fidelidade de todos à sua volta, da sua rede de relacionamentos e a admiração dos possíveis concorrentes que, com certeza, o terão como referência.

Os fornecedores

São os principais parceiros da empresa. Mesmo se eles se confundirem com a própria empresa, quando ela é prestadora de serviços, cada pessoa que presta serviço exerce o papel duplo de funcionário e fornecedor. Em muitos casos, se o fornecedor falha a empresa também falha. Por isso, cada fornecedor começa a se sentir parte da empresa. É o ganha-ganha que se concretiza nessa parceria, dando vida e continuidade ao negócio. Por isso, será crescente a aliança entre empresas e fornecedores, criando uma relação que se estreitará de forma simbiótica.

Os Funcionários

Eles fazem a empresa, eles são os responsáveis por fazer acontecer. Mas não irão trabalhar em qualquer lugar. Escolhem os locais que se adequem aos seus valores e ideologias. São leais e fiéis à medida que os proprietários lhes correspondam. Mais colaborativos, criativos e participativos deverão ter clareza quanto aos objetivos e metas, não se mantendo indiferentes no caso de demandas equivocadas, mesmo que elas partam das lideranças. Para eles, mais importante do que o salário (embora isso importe) são as oportunidades de aprender, viajar, testar novas ideias, sentirem-se parte das realizações e obterem reconhecimento genuíno.

A Sociedade

Já vimos a expressão “ pensar local e agir global” em vários textos da literatura e é exatamente essa expressão que guiará a empresa na sua trajetória. Localmente, empresas já se preocupam com procedimentos que façam com que a comunidade se orgulhe de tê-la por perto. Tanto pelo serviço que ela presta ou pelo produto que ela oferece, a sociedade (abrangendo todos os segmentos de clientes) começa a reconhecer o valor que a empresa oferece em termos de empregabilidade, comprometimento com clientes, preços justos, canais de atendimento operando com qualidade e integração ao meio ambiente. Globalmente, honestidade, transparência, responsabilidade social e ambiental, capacidade de inovação e adequação constante às mudanças já são questões relevantes no mundo dos negócios.

Valores que ganham força

Os valores não são novos, a novidade é que eles estão se fortalecendo. Na década de noventa, tivemos a ascensão do valor qualidade. Na época, o discurso da qualidade tomou conta das empresas e ao longo da década foi ganhando força, tamanha que atualmente é um valor intrínseco a qualquer produto ou serviço. A empresas que perceberam a mudança primeiro saíram na frente e as que ficaram por último tiveram dificuldades.

O mesmo tende a acontecer com valores atuais como criatividade, intuição, honestidade, responsabilidade ambiental e social, aprendizado contínuo, trabalho como realização, liderança criativa, cocriação, empatia, consumo consciente, protagonismo, empreendedorismo. Parecem muitos, mas estão relacionados e saltam aos olhos. Já fazem parte das práticas empreendedoras em diversos aglomerados, como Vale do Silício, dentre outros similares, em todas as partes do mundo.

Nesse início de ano, olhar para esses valores e refletir sobre eles em momentos de planejamento, definição de metas, criação de projetos e novos negócios pode representar uma diferença significativa nos resultados futuros. Pois será no futuro, não muito longe, que eles estarão na mesma “caixa” onde se encontra hoje o valor qualidade.

Por Márcia Matos. Jornalista, especialista em educação a distância, estudiosa do mundo digital, com muita experiência em Tecnologia da Informação, consultora e palestrante, com vários artigos publicados. Ex- funcionária do SEBRAE e atualmente, na equipe do Laboratorium, é coautora do TREM – Trilha de Referência para o Empreendedor.

Comentários facebook

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer juntar-se a discussão?
Sinta-se à vontade para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *