Abuse da criatividade com doodles, sketchnotes e anotações visuais

Quem nunca rabiscou que atire a primeira pedra. Naqueles momentos de uma aula chata, de tristeza pensativa, de tentar a solução de um problema ou de jogar o tempo fora. Fazendo “nada” desenhamos.

Doodle é uma palavra inglesa para referir um tipo de esboço ou desenho realizado por alguém em qualquer situação. Podemos rabiscar por obrigação, por vontade, por distração. A palavra portuguesa é “rabisco”. São desenhos simples que podem ter significado concreto de representação ou simplesmente representar formas abstratas.

Este exemplo é o doodle de um nome

Este exemplo é o doodle de um nome

Nesses momentos, sem que saibamos, estamos vivenciando um momento criativo. Esses desenhos são formas de expressão pessoal, quando se pensa profunda e intensamente e se chega a novas descobertas. Eles podem até mesmo tornarem-se arte. Veja alguns exemplos aqui e aqui.

Se rabiscar instintiva ou displicentemente é entrar em estágio criativo, por que não usar doodles como ferramenta para a criatividade?

Primeiro, devemos saber que rabiscar e desenhar, nesse caso, é a mesma coisa: lápis, caneta, pinceis, papel e mãos à obra. Não sabe rabiscar nada? Aprenda aqui (em inglês), veja um exemplo no vídeo.

O Google usa doodles para exibir sua logomarca, variando a forma como se apresenta. Se quiser conhecer a história deles, leia aqui. De acordo com este artigo, a ideia de usar doodles surgiu em 1998, antes mesmo da constituição da empresa. Como eles descobriram essa possibilidade? Rabiscando!

Uma evolução do uso de doodles são os sketchnotes (anotações com rabiscos) ou anotações visuais, que consiste no uso proposital de rabiscos, imagens, textos, diagramas etc. para fazer anotações quando se ouve algo que é interessante ou que precisa ser lembrado. É uma maneira criativa de tomar notas. E não precisa ser desenhista ou especialista. Tem como aprender e depois… treinar, treinar… treinar… Como tudo na vida, a experiência sempre ajuda – muito!

Há muito material – grátis – na web ensinando, dando dicas e exemplos de como fazer e usar sketchnotes.  Veja alguns “rabiscos” que são básicos para tomar anotações visuais.

 

Um dos melhores livros que li sobre o tema é este:

sketchnotes_book

 

Está em inglês, mas como é muito visual, fica fácil até para quem tem dificuldade na leitura.

O autor – que considero um artista – dá muitas dicas e orientações para que qualquer um possa se aventurar no uso das anotações visuais. Um verdadeiro passo a passo, mostrando desde como variar na tipografia até como melhorar os desenhos.

Uma das minhas páginas favoritas é esta:

sketchnotes_draw

Desenhe quase tudo com apenas cinco elementos

Nunca tinha imaginado que com apenas cinco elemento poderíamos fazer todos os desenhos que desejássemos. Acho que muitas vezes temos parâmetros que nos prejudicam. Acreditar que desenhar é para artistas não é um paradigma que ajuda em nada.

Veja os exemplos que ele dá no livro. Observe que todos os desenhos nascem dos cinco elementos. Eles são simples, mas não deixam ninguém em dúvida sobre o que representam.

sketchnotes_exemplos

Sem medo de ser feliz: vamos desenhar? Ou aprimorar nossos rabiscos?

 Escolha um papel sem linhas (ou comece usando um quadriculado para facilitar o desenho de linhas).

Use lápis comum antes de passar para as canetas. Fique no lápis preto até perceber que vai ser bom usar lápis ou canetas coloridas.

Construa seu próprio acervo de imagens, assim você irá decorando os seus símbolos e ficará cada vez mais rápido fazer as anotações visuais. Essa é uma técnica utilizada pelos            artistas. Os exemplos que mostrei do Mike Rohde são os elementos básicos que ele usa nas anotações.

 

Tenho convicção de que somos eternos aprendizes e que aprendemos qualquer coisa que quisermos, bastando para isso temos motivação (interesse genuíno) e iniciativa para buscar informações, orientação e até professores.

Nesse caso, informações, exemplos, livros estão disponíveis. Por que não?

Já estou aprendendo. Essa é a minha segunda tentativa. Sugiro que você tente também, pois como já ensinava Aristóteles, “a prática leva à excelência”.

sketchnotes_teste

Como aprender a fazer anotações visuais ? Fazendo.

 

Por Márcia Matos. Jornalista, especialista em educação a distância, estudiosa do mundo digital, com muita experiência em Tecnologia da Informação, consultora e palestrante, com vários artigos publicados. Ex- funcionária do SEBRAE e atualmente, na equipe do Laboratorium, é coautora do TREM – Trilha de Referência para o Empreendedor.

Comentários facebook

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer juntar-se a discussão?
Sinta-se à vontade para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *