Vídeos facilitam o entendimento do design thinking

Design thinking não é uma novidade, o que é realmente novo é o espaço que ele vem ganhando nas empresas. Assim como não se usa mais o telex para troca de mensagens, não basta nomear um gerente de P&D (pesquisa e desenvolvimento) para criar e produtos e serviços que os clientes amem.  Para que isso aconteça, o desafio é identificar e entender as oportunidades por trás dos problemas e descobrir as verdadeiras dores, expectativas, anseios, insatisfações do cliente.

Dominar o processo do design thinking permite que qualquer pessoa possa reproduzir o modo de pensar do designer para criar produtos e serviços que sejam acima da média.  Para instrumentalizar esse caminho, são sugeridos fluxos ou processos nos quais se utiliza uma espécie de caixa de ferramentas, que reúne muitos recursos que podem ser utilizados no momento adequado.

Compreender o que é design thinking, aprender como e dá o processo e quais as ferramentas podem ser utilizadas para aplicar os conceitos, está muito bem explicado no canal da MJV Technology & Innovation, empresa que “se dedica a transformar negócios no Brasil e no mundo”.

A empresa, que já tinha publicado o e-book Design Thinking Inovação em Negócios  (que utilizamos nos nossos cursos e você pode baixar aqui), dissemina agora um audiobook com o conteúdo do livro na íntegra. E produziu vídeos, muito bem elaborados, em linguagem acessível para que qualquer um possa conhecer as ferramentas, aprender e colocar em prática.

Comece obtendo a resposta para a pergunta: O que é design thinking?

A MJV trabalha com uma abordagem que é  comum  aos processos de design centrados no usuário: a inovação nasce da incerteza (por isso a fase de imersão, de descobertas, de investigação)  e caminha em direção à certeza durante a evolução do projeto, nas fases de ideação e prototipação da solução (com o uso de técnicas, ferramentas e experimentações).

Quer saber mais sobre como eles abordam e praticam o design thinking?

Vá até o canal da MJV no Youtube e aprenda como se utilizam as ferramentas: diagrama de afinidades, jornada do usuário, workshop e várias outras.

Aqui você confere um exemplo, que fala do workshop (ou oficina, em português).

 

Canetas e post-its na mão, peguem folha em braco, fita adesiva e mãos à obra!

Por Márcia Matos. Jornalista, especialista em educação a distância, estudiosa do mundo digital, com muita experiência em Tecnologia da Informação, consultora e palestrante, com vários artigos publicados. Ex- funcionária do SEBRAE e atualmente, na equipe do Laboratorium, é coautora do TREM – Trilha de Referência para o Empreendedor.

Comentários facebook

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer juntar-se a discussão?
Sinta-se à vontade para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *