10 tecnologias de 2019 que vão mudar o mundo como conhecemos

Quem não gosta de viajar? Sair um pouco da rotina, conhecer ou rever lugares maravilhosos e viver uma cultura diferente… 🌍

Essa minha viagem à Paris é um pouco disso. Mas não somente isso. Muitas pessoas podem não saber, mas existe um observatório em Paris chamado NetExplo que estuda o impacto da tecnologia digital na sociedade e nos negócios em parceria com a UNESCO desde 2011.

Neste sentido, foi criado o Fórum NetExplo, que acontece na sede da UNESCO na cidade da luz todos os anos para dar destaque e apresentar 10 inovações digitais de vários países. Essa é apenas uma amostra de cerca de 2 mil iniciativas espalhadas pelo mundo por meio da NetExplo University Networking.

Dentre os profissionais ligados à Inovação, eu tenho a honra de representar o Brasil pelo quinto ano consecutivo e essa é a principal razão pela qual me fez fazer as malas dessa vez.

Espero que estejam me acompanhando no Instagram e que essas iniciativas sirvam de inspiração para novos projetos inovadores pelo mundo.

Por isso, compartilho aqui 10 vencedores do Prêmio NetExplo 2019 em ordem alfabética. Ao final, você saberá qual foi o Primeiro colocado, o Gran-Prix.

1. AI BIODIVERSITY MONITOR (Monitor de Biodiversidade com Inteligência Artificial)

Reino Unido

Pesquisadores do Imperial College London criaram um sistema de energia solar de baixo custo para monitorar a biodiversidade nas florestas tropicais. O sistema de código aberto, feito de um Raspberry Pi, sensores atmosféricos, microfone e câmera, foram testados em

Bornéu, uma ilha localizada na Ásia.

Os dados serão usados para dois propósitos: construir um tipo de Shazam para as espécies por meio do aprendizado de máquina e mapear a floresta para acompanhar sua evolução durante o tempo.

Veja mais:

doi.org/10.1111/2041-210X.13089

www.newscientist.com

 

2. BIOHYBRID ROBOT (Robô Bio Híbrido)

Japão – Shoji Takeuchi

Cientistas japoneses adaptaram músculos criados em laboratório a um esqueleto mecânico para criar um Robô bio-híbrido que pode mover pequenos objetos. O pequeno robô criado pela equipe da Universidade de Tóquio funciona como um dedo humano. O par de músculos foi criado a partir de células de ratos.

Veja mais:

www.iis.u-tokyo.ac.jp/en/news/2916

robotics.sciencemag.org/content/3/18/eaat4440

www.usinenouvelle.com

3. D-ID

Israel – Gil Perry

Para garantir a privacidade e permitir que os indivíduos evitem ser identificados pelo reconhecimento facial,a tecnologia da startup modifica rostos em fotos e vídeos de uma forma indetectável para o olho humano, mas que os torna irreconhecíveis para enfrentar algoritmos de reconhecimento. Depois de considerar o aplicativo para o público em geral, a D-ID agora está se concentrando no mercado B2B. As empresas poderiam oferecer aos seus clientes serviços de reconhecimento como o Face ID da Apple, por exemplo, sem rostos e identidades “reais” que entram no sistema.

Veja mais:

www.deidentification.co

www.thepaypers.com

 

4. FACTMATA

Reino Unido – Dhruv Ghulati

Factmata procura contrariar a disseminação de notícias falsas reunindo verificadores de fatos e inteligência artificial. A startup foi lançada com um conjunto de ferramentas digitais que os factcheckers, ou em tradução livre “verificadores de fatos”, voluntários podem usar para avaliar e contextualizar o conteúdo. O objetivo de longo prazo é entregar o

todo o processo para algoritmos. Com base neste mecanismo de pontuação, a Factmata pretende lançar um plug-in de navegador que certifica o conteúdo e alerta os leitores quando eles podem ser expostos às Fake News.

Veja mais:

factmata.com

www.businessinsider.fr

 

5. FURHAT

Suécia – Samer Al Moubayed

Furhat é um social personalizável que pode imitar expressões humanas.

Parece que está ouvindo, mantendo contato visual e reagindo. A expressividade do Furhat faz a interação mais natural do que com um robô fisicamente semelhante ao homem. Os desenvolvedores podem personalizar rosto, voz e reações do Furhat.

Veja mais:

www.furhatrobotics.com

6. I-CUT

Quênia – The Restorers (As Restauradoras)

Em 2017, cinco meninas quenianas de 15 a 17 anos formaram um grupo chamado The Restorers (As Restauradoras) e criaram um aplicativo para se opor à mutilação genital feminina. O I-Cut foi projetado para oferecer suporte a meninas em risco colocando-as em contato com os serviços de apoio. O aplicativo também dá médicos e conselhos legais para mulheres que foram submetidas à MGF. Ele permite que os usuários peçam ajuda, informem a polícia, prestem testemunho, sejam informadas e façam uma doação.

Veja mais:

mashable.com/2017/08/03/kenya-teen-girls-app-fgm-i-cut

7. rAInbow (Arco-Íris)

África do Sul – Kriti Sharma

O rAInbow foi criado por Kriti Sharma, CEO da AI for Good, com base em pesquisas e entrevistas com vítimas de abuso. Disponível como aplicativo e via Facebook Messenger, o rAInbow ajuda as mulheres que vivem em um relacionamento tóxico para perceber que elas estão sendo abusados e agir. A Inteligência Artificial é programada para aprender padrões de comportamento e usa técnicas de narrativa digital para explicar como encontrar ajuda de uma maneira emocionalmente consciente. Informa as vítimas dos seus direitos, encoraja-as a procurar ajuda ou ajudá-las na sobrevivência.

Veja mais:

www.hirainbow.org

 

8. SPATIAL (ESPACIAL)

EUA – Jacob Loewenstein

Spatial é uma ferramenta de coworking de realidade mista que usa o ambiente físico para criar um local de trabalho imersivo e compartilhável. Os usuários podem colaborar, desenvolver ideias e compartilhar conteúdo como se estivessem no mesmo lugar, deixando de fazer viagens desnecessárias. Spatial foi projetado para Hololens e headsets Magic Leap, mas funciona com qualquer configuração de realidade virtual.

Veja mais:

9. SONDSHIRT (Camiseta Sonora)

Alemanha / Reino Unido – Francesca Rosella

Desenvolvido pelos designers de moda CuteCircuit e a orquestra Junge Symphoniker Hamburg, o Soundshirt permite que as pessoas com deficiência auditiva sintam música através de uma experiência imersiva.

A roupa traduz o som da orquestra em vibrações na pele do usuário. Os instrumentos são mapeados em locais diferentes no tecido, de modo que usuário sente diferentes sensações em diferentes locais do corpo (por exemplo, contrabaixo no estômago, violinos nos ombros).

Veja mais:

10. TCAV

EUA – sido Kim

Kim, pesquisador do Google Brain, quer que as decisões tomadas por máquina sejam transparentes para uma IA mais responsável. Para isso, desenvolveu o TCAV (Teste com Vetores de Ativação de Conceito), um “tradutor para humanos” que abre a caixa preta de decisões algorítmicas. A solução mostra o peso relativo de cada conceito na decisão da IA decisão. Por exemplo, se um sistema de aprendizado foi treinado para identificar zebras por imagens, o TCAV vai dizer o quão importante era o conceito de “listras”.

Veja mais:

ai.google/

A cerimônia de premiação aconteceu no dia 17 de abril de 2019 e o Grand-Prix foi o… 🥁🥁🥁

I-CUT!

Quanta coisa inovadora tem sido criada ao redor do mundo que vão contribuir para grandes mudanças. Então fica a pergunta: Qual será sua contribuição neste cenário de constantes evoluções?

Comentários facebook

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *