Como fazer o melhor workshop de design thinking

O design thinking, ou design centrado no usuário, é uma das abordagens mais eficazes para quem deseja inovar – seja num produto, processo ou departamento. Isso porque ele consiste em pensar soluções de acordo com as necessidades e desejos do consumidor, partindo da constatação de que toda boa ideia – bom serviço, produto ou negócio – nasce como resposta a um problema.

Essa abordagem está baseada em três pilares: empatia, colaboração e prototipação – ou experimentação.

Menta90

Se você deseja inovar e/ou está organizando um evento sobre esses temas na sua empresa, continue lendo este conteúdo. Reunimos dicas importantes para fazer do seu evento um grande sucesso!

Por que fazer um workshop de design thinking?

  • Para gerar entrosamento entre equipe;

  • Para elaborar planos que funcionam;

  • Para criar e renovar produtos;

  • Para criar e renovar produtos;

  • Para apresentar metas e resultados (e definir a próxima meta);

  • Na verdade, o workshop é uma ferramenta que vai te ajudar a criar o comprometimento necessário para que um grupo de pessoas tenha alinhamento, propósito e clareza de como chegar lá.

O que um workshop de sucesso precisa ter?

  1. Objetivo definido. Sem ele, não tem como medir o sucesso do workshop;
  2. Foco. É importante que o facilitador responsável pelo workshop e os demais participantes se concentrem na atividade. Também precisa ficar claro, no caso do design thinking, se o evento tem como objetivo gerar divergência ou convergência (de acordo com a abordagem duplo diamante, que norteia o processo de design thinking);
  3. Ambiente criativo. É ideal que seja num local amplo, onde seja possível colar cartazes, formar grupos, ter mesas sem braços e móveis, janelas ou paredes amplas. Café e água a vontade também ajuda. Se possível, também ter música e um Datashow para passar vídeos e apresentações.
  4. Roteiro. Além de saber aonde se quer chegar, é essencial definir o melhor caminho. Para isso, contamos com ferramentas visuais que, além de salientar o que é mais importante, expõem as ideias de todos de forma simultânea. Neste contexto, a partir da foto você monta um roteiro, onde define as atividades, as ferramentas, o objetivo e o tempo de cada etapa.
  5. Material de apoio. Provavelmente, você precisará de folhas sulfite, canetinhas, post-its, folhas de flip-chart, fitas adesivas, material de prototipação (revistas, cola, tesouras, papelão, lego, massa de modelar, objetos variados – varia caso a caso).

Quais são as ferramentas visuais mais adequadas?

A seguir, você vai conhecer algumas referências que podem te ajudar a identificar mais as  ferramentas que você utilizar para montar seu roteiro.

Todas podem ser úteis, mas você precisa avaliar caso a caso:

Conteúdos para te inspirar:

David Kelley, Como recuperar a confiança criativa

Tim Brown Conclama os Designers a pensar grande

Clarissa Biolchini, TEDxLaçador – O Modelo Mental do Designer

Escolha um facilitador qualificado

Outro ponto importante para que o seu evento tenha sucesso é a escolha de um facilitador experiente, familiarizado não apenas com o design centrado no usuário, mas também com problemas comuns em pequenas, médias e grandes empresas – caso do empreendedor, consultor, professor e palestrante Marcelo Pimenta.

Menta é um dos pioneiros da Internet no Brasil, com 20 anos de experiência como empreendedor digital. Atua como professor universitário desde 1996; desde 2011, é o responsável pelas disciplinas de Gestão da Inovação e Design Thinking na ESPM/SP. Edita diversos livros e cartilhas sobre empreendedorismo, inovação e modelo de negócios, incluindo o TREM (Trilha de Referência para o Empreendedor), Ferramentas Visuais para Estrategistas e Passo-a-passo para negócios inovadores.

É consultor credenciado ao Sebrae nas áreas de marketing, vendas e negócios, para o qual já desenvolveu mais de uma centena de palestras, workshops e projetos de abrangência nacional e local, em quase todos os estados brasileiros. Também representa o Brasil na Rede Acadêmica NetExplo que, com o apoio da Unesco, identifica, todos os anos, as principais inovações digitais que afetam a sociedade.

Veja alguns vídeos que mostram os workshops facilitados por ele